terça-feira, 1 de maio de 2012

Preste a completar 17 anos de carreira, entrevistamos o cantor Duda Rodrigues


"Não faço nada em vão, faço porque gosto, porque amo estar no palco, é o momento que sou mais feliz". (Duda Rodrigues)
Redação
redacao@ozildoalves.com.br





Crédito: Driele Mutti


Ele já passou por diversas bandas, dos mais variados estilos, já viajou bastante levando a sua música e participou de diversos festivais musicais; morou por cinco anos na capital baiana, onde fez diversas apresentações em barzinhos, eventos particulares e TV. O cantor pauloafonsino Duda Rodrigues está prestes a completar 17 anos vivendo profissionalmente da música. Não é qualquer um que consegue o feito de permanecer por tanto tempo no mercado musical, hoje bastante exigente e disputado. Além de muito talento, é preciso também um pacote de determinação e sempre acreditar que um sonho sempre é possível através de grandes esforços e humildade. Duda Rodrigues bateu um papo com o site ozildoalves, onde fala dessa sua caminhada, como anda a sua carreira hoje e quais são seus anseios. Acompanhe.

Duda Rodrigues e Paulo Afonso
Hoje o cantor se diz muito feliz no que faz e por tudo que já conquistou até agora. Duda ainda carrega as suas origens, sabe como começou e de onde veio, e segundo ele, hoje tem bastante respeito do público e principalmente dos colegas de profissão. “Eles me falam sempre que curtem meu trabalho, que tem orgulho de tocar comigo, isso é muito bom, mostra que você está no caminho certo”.  Questionado se acha que tem recebido espaço e prestígio suficiente para o seu talento em Paulo Afonso, Duda é positivo.
“Paulo Afonso é uma cidade pequena, onde não temos tantos lugares para se apresentar, mas mesmo assim na medida do possível vamos trilhando nossos caminhos. A escolha também vem do artista, se quer seguir um caminho mais fácil - me refiro aqui ao tipo de trabalho - ou um caminho mais árduo, mas que te deixe com mais prazer em fazê-lo. Sou uma pessoa muito exigente, até comigo mesmo, talvez até seja por isso que as pessoas me enxerguem dessa forma. Como disse, passei por diversas bandas de diversos estilos, foi importante que isso acontecesse para que eu fizesse a minha escolha. Como quero seguir? Que estilo musical quero fazer?... Já trabalhei com música de massa, foi muito bom a época... Hoje escolhi fazer algo mais intimista, porém muito valorizado também, talvez pela minha exigência”.

Músicas para um público pequeno não é uma preocupação, foi uma escolha
Duda tem consciência de que faz música para um público “restrito”. E isso não lhe assusta, até porque foi uma escolha feita por ele. “Hoje faço as coisas com mais calma, sem tantas pretensões, a coisa acontecerá se tiver de acontecer”, diz ele, que segue com a vontade de fazer um show apenas com canções inéditas. Ainda segundo o cantor, a música hoje não é igual a quando começou, “as coisas mudaram bastante, as gerações também, isso é natural e temos que acompanhar essa mudança”. Duda agora tem contato com um aliado muito grande que não tinha na época que começou, que é a internet, que tem ajuda muito a divulgar o seu trabalho através das redes sociais, por exemplo. “Hoje em dia a gente não ganha dinheiro com venda de CD, ele apenas serve como carta de apresentação”.

Apesar das escolhas, a música nunca deixou de ser prioridade em sua vida
Formado em Letras, Duda concilia há alguns anos os seus show com a sua colaboração no “Artes em Cena”, projeto apoiado pela prefeitura da cidade, onde é viabilizada oficinas gratuitas de canto, dança, teatro, artes plásticas, música e teatro à população. “A música não deixou de ser prioridade em minha vida, porém, viver apenas dela te leva às vezes pra um caminho não tão prazeroso e sim um caminho de obrigação, coisa que não gosto. Prefiro tocar em lugares que eu me sinta bem, com um público que me complete. Me refiro a você fazer o que ta afim de fazer. Costumo dizer que o artista não pode ser refém do público, no sentido de só tocar o que o povo quer. É muito bom tocar o que o povo quer, porém tem quer haver limites, se não se torna mecânico, sem prazer e não quero isso pra mim”, confessa o artista,  que tem ido ainda eventualmente se apresentar em Aracaju (SE), onde tem alguns conhecidos.

Ainda dá pra pensar numa carreira musical fora de Paulo Afonso?
“Antigamente eu cantava o ano todo. Fazia carnaval, São João, Copa Vela, Natal, réveillon... Não tinha vida social, só vivia para o trabalho. Hoje não está mais assim, escolho os lugares que quero tocar e a época que quero tocar... Não porque eu não precise, porque eu preciso, sim, e muito, mas eu no momento atual prefiro deixar como está. Claro que se eu receber uma boa proposta de alguma banda ou para algum show, não irei recusar”.


E um dos últimos show de Duda do Rodrigues em Paulo Afonso foi no projeto “Quinta na Praça”, da TV São Francisco. Segundo ele, uma ótima ideia devido a visibilidade que dá ao artista por conta da TV. “Na época mesmo uma pessoa da cidade de Senhor do Bonfim que me adicionou no Facebook disse que tinha me visto na TV, isso é bom, não deixa de ser uma vitrine para o artista. Voltando a questão do show, é uma oportunidade de mostrarmos um show especial, já que temos poucas oportunidades para isso. Quando você faz barzinho, ou festa particular, você acaba não mostrando o que você realmente quer mostrar. O projeto lhe dar essa oportunidade”, disse o cantor, que também aproveitou para comentar as críticas que ele e outros artistas que participaram do projeto, receberam por parte de alguns expectadores, por toparem fazer da programação do “Quinta na Praça” sem receber cachê nenhum da organização.
“Quanto a questão do cachê, se eu escolhi estar lá me apresentando é porque de alguma forma isso seja interessante para mim, para os músicos. Claro que se fosse recebendo, seria bem melhor, até porque por trás daquele show que você assistiu, tem todo um investimento, de ensaios com aluguel de estúdio, gasolina, telefone, roupa, etc. Fica até uma dica para os organizadores de dar uma ajuda de custo para os músicos na próxima temporada”.

Duda Rodrigues encerrou a entrevista comentando como tem visto a movimentação artística em Paulo Afonso. Ela existe? Tem Crescido? É diferente de anos atrás?
“A cidade é muito rica de grandes e ótimos artistas, isso em todas as áreas. Viver de arte no Brasil é muito difícil, imagine numa cidade do interior, mas a gente vai tirando de letra. Percebo que existem alguns profissionais que se submetem a qualquer coisa, a tocar por qualquer preço, a cantar em qualquer som... Isso comigo não rola, porque não rola? Por que quero mais e não apenas ficar tocando em festinhas apenas para sobreviver. Às vezes sinto falta de profissionalismo de algumas pessoas, porém não tenho nada a ver com a vida dos outros, faço meu trabalho e penso de uma forma... Talvez por parte dos cantores que é a minha área, eu creio que não. Mas no sentido de sentarmos, debatermos o que estamos necessitando, falarmos sobre valores de cachês - que por sinal está super defasado há muito anos -, mas é como falei anteriormente, tem pessoas que se submetem a qualquer coisa. Com certeza serei crucificado por falar isso aqui”.
    Fonte: www.ozildoalves.com.br

Nenhum comentário:

MINHA MÚSICA, MINHA VIDA!!!

Um sonhador por natureza e um batalhador por opção, Eduardo Henrique do Nascimento Rodrigues nasceu em Paulo Afonso no dia 18 de junho de 1979 e desde muito cedo demonstrava interesse pela música. Aos nove anos, com o seu talento e incentivo dos seus parentes e amigos começou a se dedicar à carreira musical passando por programas de rádio e shows de calouros.

No ano de 1995, aos 16 anos de idade, DUDA RODRIGUES nome escolhido pelo mesmo, já cantava profissionalmente em uma banda local chamada banda LIKE. A partir daí Duda não parou mais, passou por diversas bandas, entre elas: BANDARA, ALIAMBA, FORRÓ E PAIXÃO, KARONA, CHAPÉU DE COURO, AQUARELA NORDESTINA, FORROZÃO LOS BREGAS.

Hoje o cantor está com 19 anos de carreira, sendo que cinco desses morou em Salvador, onde desfrutou do convívio de diversas experiências musicais.

Em 2005 no show “INTIMIDADE” o artista comemorava seus 10 anos de estrada e mostrou todo o seu potencial artístico e um pouco do que aprendeu nessa longa caminhada. Já em 2008 Duda consegue passear pelo universo Pop e apresenta ao público da sua cidade o show "DO MEU JEITO!!!" que resultou em um DVD.


Em julho de 2010 apresentou o show, intitulado: TEMPO. Um show que comemorou os 15 anos de carreira do artista, que desde muito pequeno, luta pelo sonho de ser reconhecido pelo seu talento. No repertório, releituras de grandes canções de artistas que fizeram e fazem parte do cenário nacional, entre elas: Sangrando (Gonzaguinha), Luíza (Tom Jobim), O Amor (Caetano Veloso), Sabiá (Chico Buarque/Tom Jobim) entre outras. São canções que marcaram a Música Popular Brasileira. Canções que o cantor expressa todo o seu amor pela música e pela vida.

Em março de 2012 Duda apresentou no centro da cidade o show "Prata da Casa" dentro do Projeto Quinta na Praça da TV São Francisco de Juazeiro/BA. Essa apresentação só deu início ao seu último projeto ainda em andamento.

Duda é um cantor que, além dos cuidados com a voz, supervisiona arranjos, pesquisa timbres e valoriza o conceito de cada trabalho. Porém, não há limites para o artista que não se inibe ao mesclar os vários estilos. Ele sabe que tem muito que aprender com a profissão, mas isso não quer dizer que haja uma interferência na qualidade musical do artista, pois o conhecimento que já adquiriu até hoje é o suficiente para realizar apresentações bem sucedidas, e mais que isso, proporcionar momentos inesquecíveis com músicas de mensagens profundas, que falam forte, alegram o coração e trazem recordações. Em fim, é um cantor hábil em despertar emoções nos ouvintes.

Participou de alguns Festivais, um deles, esse em Juazeiro, ganhou em primeiro lugar e foi representar a região do São Francisco em Teresina no Piauí. Apresentou-se em alguns programas de televisão, entre eles, o Jornal Bahia Meio Dia da TV São Francisco no quadro Vida de Artista e Programa Michelle Marie na Rede Record/Itapuan.

Além da Bahia, Duda já levou seu talento para vários estados, entre eles: Piauí, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Mato Grosso do Sul.

Atualmente ele faz parte da Sra Banda, com sede em Aracaju/SE, fazendo apresentações semanais em bares e casas de eventos daquela cidade.

Duda tem como lema de sua carreira uma frase da cantora Elis Regina que diz:
“A música é o meu motor, meu combustível, meu arco, minha flecha e minha solidão”.




_________ APRESENTAÇÃO REALIZADA EM TERESINA-PI NO FESTIVAL PARAÍBA POP STAR EM 2007. _________ Participação no Show da Banda SUTAC - 2012. __SHOW "INTIMIDADE" - 2005 SHOW DO MEU JEITO! - 2008 _______MATÉRIA PARA A TV SÃO FRANCISCO DE JUAZEIRO-BA EM 2007. _______PROGRAMA MICHELLE MARIE (TV RECORD)- 2002. _______FESTIVAL PARAÍBA POP STAR EM JUAZEIRO-BA - 2007. _______MATÉRIA GRAVADA PARA TV OLHAR NEWS EM 2008. _______DUDA RODRIGUES NA BANDA ALIAMBA EM 1999. ______PARTICIPAÇÃO NO DVD DA BANDA FORRÓ BRASIL DE ARACAJU-SE EM 2009.